05 diciembre 2010

Cela 211

Ontem vi no Cinema Monumental Cela 211. Não vou dizer que não tinha visto este filme, senão tudo o contrário: em DVD (tenho o original, e não digo quantas vezes o vi) , e também não vou dizer que não li o livro, mas não tinha visto o filme no cinema: é melhor, sem dúvida, óptimo: os safanões, os socos e os golpes soam muito bem...

O filme e o livro são diferentes, pois há algumas coisas distintas e, lógicamente, no livro há mais informação sobre as personagens. Por exemplo, no livro o Malamadre tem mulher e filhos, embora a sua mulher seja... Bom, melhor não dizê-lo: se queres saber, lê-lho. Os finais também são diferentes. ¿Que gosto mais? Pois é difícil, mas eu acho que o filme, pela relação entre o Malamadre e o Cuecas, que é muito diferente à do livro, onde há um grande confronto de poder entre eles que não é no filme, porque "o Malamadre sempre cumpre a sua palavra". Em qualquer caso, a leitura do livro emriquece a visão do filme, e muito.

Já disse outro dia que os portugueses não usam muitos palavrões, ao menos nas legendas dos filmes. No Cela 211 traduzem com "Porra" y "Bolas" expresões como "me cago en Dios", "hostias" e "joder", embora sim traduzem nalgumas ocasiões "hijo de puta" com "filho da puta" e "filho da mãe", e também "cabrão" e "caralho", mas nunca disseram nas legendas "foda".


2 comentarios:

llueve rocío... dijo...

Tengo una amiga que se está preparando la oposición de Ayudante de Instituciones Penitenciarias y el otro día me contó que se puso a verla pero cuando empezó el montín se la quitó XDDDD


Por si te da un poco de envidia, hoy en Murcia se podía ir tranquilamente en manga corta... ^^

Ed. Expunctor dijo...

Buuuh, pues mal lo lleva tu amiga XDDDD

A ver, envidia, lo que se dice envidia, no especialmente: yo ya sé que en Murzia Tropikal cuelga del cielo un sol perpetuo, salvo contados días al año, es decir, yo veo el cielo de aquí y, simultáneamente, estoy viendo el de Murcia, y se que allí se puede ir en manga corta, que es lo que siempre le digo a mi amigo B2, que, siendo murciano, vive en Londres desde hace ya diez años y está harto del clima inglés: "Acho, pues aquí en manga corta"...